Como representar a revolução? Comentário da escultura Monumento ao 25 de Abril, de João Cutileiro, e do filme Linha Vermelha, de José Filipe Costa

Como representar a revolução? Comentário da escultura Monumento ao 25 de Abril, de João Cutileiro, e do filme Linha Vermelha, de José Filipe Costa

Tiago Baptista

 

Resumo:

Este texto compara a escultura Monumento ao 25 de Abril (João Cutileiro, 1997) e algumas cenas do documentário Linha Vermelha (José Filipe Costa, 2011) com o objectivo de abordar os problemas relacionados com a representação artística da revolução portuguesa de 1974. A análise comparada das duas obras sugere que uma representação da revolução que faça justiça ao seu carácter de processo aberto e indecidível só é possível através do questionamento das próprias condições de possibilidade da representação artística. Os conceitos de monumento e de enunciação cinematográfica são centrais para as análises das duas obras e para o argumento geral do texto.

 

Palavras-chave:

Enunciação cinematográfica, Monumento, José Filipe Costa, João Cutileiro e Revolução.

 


PDF(618k)PDF


< Práticas da História 1, nº 1 (2015)