Decolonizing Empire: Corporeal Chronologies and the Entanglements of Colonial and Postcolonial Time

Patrícia Martins Marcos

 

Resumo:

Em Provincializing Europe, Dipesh Chakrabarty apresentou uma crítica sistemática do historicismo enquanto elemento de uma diferença racializada e essencialista. Na sua análise, os pressupostos inquestionáveis do tempo universal e do telos foram instrumentalizados pelo poder colonial para hierarquizar e governar os outros subalternos. Este texto baseia-se no projeto descolonizador de Chakrabarty ao tentar desnaturalizar as heranças do imperialismo inscritas em ideias a respeito do lugar (a Europa ou o Estado-nação) e do tempo (a cronologia universal da modernidade). Ao provincializar a cronologia política, questiono as periodizações soberanas enquanto chave do conhecimento histórico focando-me, ao invés, em cronologias corpóreas. A partir desta análise, sublinho o papel da corporização na resistência colonial dos Ameríndios; a instanciação somática de categorias de atraso – o primitivo, o selvagem, a criança – produzidos pelos imaginários de produção de conhecimento imperial e projetados nos corpos racializados; analiso como o passado é corporizado e reiterado através da memória, do trauma e da invalidez; e os espaços quotidianos de intimidade e as ligações interpessoais onde categorias relativas ao ser e ao império são recapituladas, reificadas e vividas.

Palavras-chave:

Colonialismo and pós-colonialismo português; história do corpo; trauma e história; história brasileira.

Referência para citação:

Patrícia Martins Marcos. “Decolonizing Empire: Corporeal Chronologies and the Entanglements of Colonial and Postcolonial Time” Práticas da História, Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past, n.º 11 (2020): 125-141.

 


PDFPDF


< Práticas da História, nº 11 (2020)