Rethinking Medieval Japan, Provincializing Europe

Rajyashree Pandey

 

Resumo:

Com base nas ideias avançadas em Provincializing Europe, de Dipesh Chakrabarty, este ensaio visa investigar as possibilidades e os limites do uso de categorias modernas de pensamento, surgidas no âmbito de uma tradição especificamente ocidental, para a análise de texto medievais japoneses. Este texto questiona o suposto universalismo das categorias de corpo, género, sexo e agência – todas centrais para a análise feminista – para a leitura de textos que surgiram de tradições religiosas e filosóficas do Leste Asiático. Argumento que o sexo e o género, os quais assentam na premissa do pensamento moderno que divide atributos naturais e papéis sociais, têm pouco valor nos escritos medievais japoneses uma vez que “natureza” e “sociedade” não foram constituídas como duas esferas separadas; sugiro ainda que as concepções modernas de agência são inadequadas pois não podem tomar em consideração deuses e budas, os quais eram vistos como atores centrais no mundo cosmológico/social do Japão medieval.

Palavras-chave:

Corpo; género; sexo; agência; Budismo; passividade.

Referência para citação:

Rajyashree Pandey. “Rethinking Medieval Japan, Provincializing EuropePráticas da História, Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past, n.º 11 (2020): 35-51.

 


PDFPDF


< Práticas da História, nº 11 (2020)